Por que as mulheres são minoria nos eventos esportivos?

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Desde 2017 analisamos dados demográficos do público que participa de eventos esportivos.

Um deles chama muita atenção e nos faz olhar para o mercado com um alerta.

O público feminino – que já foi maioria na participação de eventos – vem mostrando uma queda significativa nos últimos anos:

Dados base de atletas Ticket Sports

Durante dois anos consecutivos as mulheres se mostraram bem mais presentes do que o público masculino, mas desde 2019 esse comportamento vem mudando.

O que mais assusta é ver que durante um dos períodos mais graves da pandemia (2021) a porcentagem feminina caiu drasticamente e pelo que tudo indica esse número mostra dificuldade para voltar a ser o que era.

Mas por que isso está acontecendo?

Não temos respostas certas, mas podemos estudar as variáveis e cruzar os nossos dados com os dados do mercado.

Por exemplo, apesar de todas as conquistas alcançadas desde a primeira aparição feminina em Jogos Olímpicos, só em 2012 as mulheres competiram em todas as modalidades do programa esportivo.

Isso é muito recente, né?

Nas Olimpíadas de Tóquio 2020, as mulheres bateram o recorde de participação feminina em uma única edição (48,8%).

Demoramos 120 anos para colocar as mulheres no mesmo patamar dos homens no quesito competição e isso mostra que os passos para ganhar espaço são (muito) lentos.

Nos esportes participativos

Conseguir dados sobre esportes participativos é uma tarefa difícil.

São poucos estudos sobre o tema e isso com certeza prejudica a discussão sobre o assunto.

Após pesquisar muito, encontrei a pesquisa “Os desafios de ser mulher no cenário dos esportes de aventura.”

O estudo foi realizado em 2021 em Uberlândia (MG) e apesar de não ser uma pesquisa de âmbito nacional, com certeza é uma amostra assertiva do que acontece no país.

Uma das perguntas era sobre o preconceito que as mulheres sofreram ao escolher atividades de aventura como prática.

Infelizmente, 64% responderam que sofrem algum tipo de desrespeito ao praticar a modalidade.

Talvez isso aconteça porque o feminino muitas vezes está associado com a fragilidade, falta de controle emocional e o padrão de beleza imposto pela sociedade.

A pesquisa ainda perguntou se as mulheres já haviam sido subestimadas durante a prática.

Mais um número triste nas respostas.

70% afirmam que sua capacidade frente aos eventos esportivos foi colocada em questão.

O estudo conta com dados muito importantes, que mostram possíveis motivos para a queda persistente na participação de mulheres não só em eventos de aventura, mas de todos os participativos.

Os efeitos da pandemia

Não podemos deixar de citar a pandemia para tentar explicar a queda da participação feminina.

Em conversas com o time Ticket Sports, um ponto importante surgiu:

“E se as mulheres deixaram de praticar esportes por medo da pandemia e agora estão com dificuldade de voltar aos treinos?”

Sim, isso pode ter acontecido.

Em uma pesquisa realizada pela Ticket, empresa de benefícios de refeição, 51% das mulheres relataram uma percepção de impacto negativo da pandemia em relação à rotina de cuidados de saúde.

Essa sensação esteve menos presente entre os homens: 42% perceberam alguma mudança nesse sentido.

Poder aquisitivo

Por fim, um dos últimos motivos que podemos atribuir à queda da participação feminina é o poder aquisitivo.

Segundo o IBGE, as mulheres ganham cerca de 20% menos do que os homens no Brasil 

Além disso, em 2021 a queda do rendimento médio do trabalho principal, foi mais intensa para as mulheres (11,25%).

Nós reunimos apenas alguns motivos aqui, mas se você tiver alguma consideração ou quiser conversar com um de nossos especialistas é só enviar um e-mail para marketing@ticketsports.com.br.

Até mais!

Sobre o autor

Inscreva-se na nossa newsletter

    Inscreva-se na nossa newsletter

      Participe da nossa comunidade

      Outros conteúdos